Contatos atravéz do e-mail: erika.mauricio@hotmail.com

terça-feira, 26 de julho de 2016

Eu não quero. Eu não posso

Eu não quero mais ser forte. Desejo ser amparada.
Eu não  quero mais agradar aos que desejam que eu esteja sempre sorridente, não  importando  o quanto esteja destroçada. Gostaria que me juntassem os cacos que eu nem sei onde foram parar quando explodi.
Eu não quero essa aparência de vitória. Espero poder assumir as minhas quedas tendo um colchão  no chão  onde eu possa me deitar, em qualquer  lugar. 
Eu nunca quis sorrir amarelo. Anseio por um colorido que há  muito tempo não  vejo.
Eu não  quero maquiagem que disface as olheiras, nem aplicativos de correção  facial.  Quero que vejam as rugas adquiridas após  noite e noites de lágrimas e soluços  incessantes.
Eu não  quero que me digam que me amam. Quero que me amem verdadeiramente.
Não  quero flores sobre o meu caixão. Quero qualquer coisa que faça florir a minha alma até  que a sinta tão viva dentro de mim que queira ser jardim florido aos que estejam ao meu lado.
Eu não  quero mais ser o que esperam de mim. Quero que saibam que nem sempre sou capaz do melhor, ainda que eu própria queira. 
Eu não  quero mais ser compreensiva. Ofertem-me também  compreensão.
Eu não  quero mais fingir alegria enquanto ouço  ofensas das mais obcenas. Aguardo que calem-se os ofensores.
Eu não quero ficar parada esperando a morte chegar, ou ser trazida. Poderiam me acolher braços abertos quando eu conseguir correr, ou braços suficientemente fortes, que me arrastem para longe dessa angústia.
Eu não quero esses padrões que me levaram a dar a marcha à  ré. Quero a liberdade de não  ter que me submeter à  uma infinita tortura emocional  e psicológica
Eu não quero mais essa admiração. Poderiam se orgulhar de mim por eu ser feliz, quando eu realmemte puder ser.
Eu não  quero que desejem  a minha felicidade. Sejam contribuição para que,  ao menos, eu não  esteja triste. 
Eu não quero perdoar repetidos erros. Eu não  me perdoo por tanta subserviência. 
Eu não queria. Eu sei que o querer, bem como o não  querer, não  é  poder. Não  posso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário